Arquivo da categoria: emvinhos.wordpress

Tudo sobre vinho de forma muito simples, numa linguagem fácil e atraente para o amante do vinho

ROUTHIER & DARRICARRÈRE

Olhando o nome despretensiosamente no rótulo da garrafa você não imagina que se trata de um vinho brasileiro, mas é isso mesmo! Este vinho vem da região da Campanha Gaúcha, vizinha a outra região importante no cenário do mundo do vinho, que é o Uruguay e de onde vieram os irmãos Darricarrère.

Tudo tem início ainda na década de 70 quando os irmãos franceses Pierre e Jean Daniel saem do Uruguay e partem para o Brasil para estudarem. Trazem na bagagem todo o conhecimento familiar no cultivo de uvas e produção de vinhos.

Inicialmente a ideia era de cultivo de frutas cítricas e acabam tendo o apoio do canadense Michel Routhier que se junta ao projeto e também estava de olho na qualidade das bergamotas que eram produzidas no Sul e muito valorizadas no Canadá.

Viram que havia uma grande possibilidade de se iniciar um projeto com uva finas e iniciam o projeto plantando 6 hectares de Cabernet Sauvignon e Chardonnay.

Nasce então a ROUTHIER & DARRICARRÈRE, vinícola posicionada na região da Campanha Gaúcha, na província de São Pedro

Sua produção é pequena atualmente e seu destaque maior vai para a qualidade com que prepararam cada vinho. Tudo pensado de forma a lhe dar maior prazer quando degustar ou mesmo estiver acompanhando um prato elaborado.

Os irmãos Darricarrère tiveram a oportunidade de conhecer boa parte do litoral brasileiro com uma Kombi, que acabou sendo homenageada na linha de seus vinhos ReD.

img_7262

Tive a oportunidade provar dois de seus vinhos:

 

  • Marie Gabi Rosé 2014:

Um rosé cheio de mistérios, pois só conhecemos 80% da composição do vinho feito com a Cabernet Sauvignon e os outros restantes não são declaradas. Mas é um vinho cheio de carácter, de cor cobre, leve, seco e com bom ataque aromático, trazendo algo floral nos aromas.

  • Cabernet Sauvignon Salamanca do Jarau 2012:

Vinho de cor rubi com reflexos alaranjados, mostrando evolução. Aromas de ameixa, levemente sentirá a presença do carvalho, mas tudo muito integrado, sedoso e taninos equilibrados. Vinho que passou por um ano em barricas velhas de carvalho e com 12% de graduação alcoólica. São utilizadas apenas as leveduras presentes na casca da uva para a fermentação do vinho.

O nome do vinho traz uma lenda gaúcha que conta o amor vivido entre Teiniaguá (princesa moura encantada, personagem do conto do escritor pelotense Simões Lopes Neto) que surge das águas e um sacristão. Eles são os pais de todos os gaúchos.

 

FRASE: “BEBER UM BOM VINHO É COMO UM BOM FILME: DURA UM INSTANTE E DEIXA A BOCA UM SABOR DE GLÓRIA; É NOVO EM CADA GOLE E, COMO NOS FILMES, NASCE E RENASCE EM CADA DEGUSTADOR”. (FREDERICO FELLINI)

Saúde

By edson mauricio

Deixe um comentário

Arquivado em emvinhos.wordpress

QUE TAL UM VINHO AZUL?

vinho-3

Vinho azul? Esta é a primeira pergunta quando as pessoas se deparam frente a frente com uma garrafa de “Gik”.

Este “vinho” é produzido na Espanha com 100% de uvas brancas e vermelhas, misturadas a um pigmento orgânico “comestível” e antocianina (flavonoide derivado da casca da uva). Seu teor alcoólico fica em 11,5%. As uvas são provenientes das regiões de La Rioja, Zaragoza, Léon e Castilla-la Mancha.

E porque azul?

Tudo começa com a inspiração de 5 jovens, com menos de 30 anos que se conheceram na Universidade (UPV-EHU) e se perguntaram, e se fazermos um vinho azul? Acabaram se apoiando no livro “Blue Ocean Strategy, onde os autores descrevem mercados com tão poucos produtos interessantes que os tubarões acabam se comendo entre eles tingindo o mar de vermelho. Essa parábola de diversificação foi o que marcou os jovens a produzir um liquido azul que está mexendo com a imaginação de muitas pessoas, como também provocando uma reclamação dos grandes produtores de vinho.

gik-vinho-azul

Isso mesmo, o A Startup Gik, que pretendia revolucionar numa indústria tradicional com o primeiro vinho azul do mundo, está tendo que reconduzir seus negócios dado as reclamações apresentadas pelos setores ligados ao comércio. A saída está em modificar a composição para que chegue a 99% de vinho e 1% de mosto para adaptar a legislação vigente, nas novas etiquetas não figurar a palavra vinho. Desta forma será classificado não mais como vinho.

Os novos empresários julgam injusto esta retaliação, dado que Gik é feito com 100% de uva. Atingiram a impressionante marca de 90.000 garrafas vendidas, o que equivale a produção de um vinhedo em torno de 10 hectares.

Segundo os especialistas o vinho azul fica melhor acompanhado de um “sushi” ou mesmo com salmão defumado, ele foi degustado à cegas por diversas pessoas afim de buscar o reconhecimento no paladar de que se trata de um vinho jovem, a ser bebido gelado e sem compromisso.

Cada um se defende como pode nesta indústria gigante, mas acredito que há espaço para todos. Na minha modesta opnião, não há dúvidas de que este liquido azul é convidativo para celebrar.

vinoazul

Frase: “O VINHO É SEMPRE UM MISTÉRIO, VOCÊ SEMPRE VAI DESCOBRIR COISAS NOVAS NUMA GARRAFA” – ROMIS MAGDALENO JÚNIOR – PSICANALISTA.

Saúde!

By: Edson Mauricio

Fotos: Gik

Deixe um comentário

Arquivado em emvinhos.wordpress

BARISTA – ÁFRICA DO SUL

 

IMG_7129

A África do Sul tem se destacado por produzir tintos e brancos de altíssima qualidade, todos muito característicos, de um estilo muito próprio. Os tintos são encorpados e muito típicos, com um destaque para a uva Pinotage, própria deste país. Os melhores brancos também são muito bons, alguns delicados e aromáticos, e outros mais sérios, de bom corpo e grande estrutura.

Foi em umas de nossas degustações que tivemos a ideia de fazer uma degustação só com vinhos da África do Sul preparado com a uva Pinotage. Era época da Copa do Mundo na África e seus vinhos estavam na moda. Todos os vinhos provados naquela noite estavam excelentes, mas um deles nos chamou a atenção, o Barista 2009.

Delicioso e suculento, o exuberante Barista é um tinto carismático, que encanta fácil. Este excelente lançamento da África do Sul tem um caráter hedonista, repleto de frutas maduras e um notável toque de café, chocolate e ameixas, também é elaborado com a casta tipicamente sul-africana Pinotage, vinificada com perfeição e parcialmente fermentada em barricas de carvalho tostadas. O enólogo é o talentoso Bertus Fourie, um dos mais reputados da África do Sul.

Gostamos tanto que fomos na Importadora Mistral, eu e meu amigo Mauro Sérgio Antunes comprar umas caixas. Chegando lá fomos surpreendidos, pois restava somente uma garrafa da safra 2009, não nos sobrou outra opção, levamos.

IMG_7128-001

A saída foi combinar de beber a última garrafa disponível no mercado juntos, o que demorou 5 anos, isso mesmo! Mas foi muito prazeroso, pois o vinho estava perfeito, com todas as notas de café e chocolate evidentes, valeu muito a pena esperar!

Os vinhedos do Barista Pinotage ficam na região de Paarl, cerca de 50 km de Cape Town. Essa região fica encostada no Rio Berg, ao pé da montanha de Paarl. A região está cercada por uma cadeia de montanhas e seus vinhedos ficam no centro deste vale, ou nas encostas das montanhas.

Obrigado Maurão por compartilhar o Barista conosco!

IMG_7126

PINOTAGE é a combinação de outros dois nomes: Pinot, de Pinot Noir, e Hermitage, apelido sul-africano da Cinsault. A uva Pinotage nasceu do cruzamento destas duas cepas clássicas francesas.

Frase: “A MELHOR ADEGA É A NOSSA MEMÓRIA. ROMIS MAGDALENO JUNIOR – PSICANALISTA.

By: Edson Mauricio

Deixe um comentário

Arquivado em emvinhos.wordpress

PAULO LAUREANO – ALENTEJO – PORTUGAL

IMG_7111

Uma degustação muito especial, a região do Alentejo tem nos proporcionado uma infinidade de boas alternativas quando falamos de vinhos e nossa degustação pode contar com mais um membro em nossas rodas de degustação, falo aqui da Professora D. Soledad Poli de Arruda com os seus 87 anos, demonstrando estar muito atenta aos aromas e as particularidades dos vinhos apresentados do também Professor Paulo Laureano.

Apresentamos dois vinhos de entrada da linha Clássico (Branco e Tinto), mas nosso objetivo maior era apreciar as três safras do vinho da linha premium. Uma oportunidade rara e única.

Abaixo segue um pouco da trajetória de um dos mais importantes enólogos portugueses.

 

PAULO LAUREANO – VINHAS VELHAS TINTO – VINHOS DE AUTOR

Paulo Laureano é um dos mais conceituados enólogos portugueses e uma referência dos vinhos no Alentejo.

Agrónomo, enólogo formado entre Portugal, Austrália e Espanha, depois de ensinar na Universidade de Évora durante 10 anos, resolveu dedicar-se, em exclusivo, aquilo que o move desde 2003, desenhar vinhos. Sobretudo na empresa que criou com a família em 1999 e que foi assumindo uma importância cada vez maior na sua vida.

 

Paulo Laureano define-se como um enólogo minimalista. Para ele, desenhar vinhos é uma paixão, desvendar os seus aromas e sabores, avaliar e otimizar as razões da sua identidade e personalidade, promovendo-os como verdadeiras fontes de prazer, são os postos-chaves da sua filosofia.

IMG_20160624_133525011

VINHOS DEGUSTADOS:

 

  • PAULO LAUREANO BRANCO CLÁSSICO 2015
    • Uvas: Antão Vaz e Roupeira
    • Aroma: Cítrico com notas tropicais muito elegantes, agradáveis e uma forte mineralidade. Teor alcóolico: 13%

 

  • PAULO LAUREANO TINTO CLÁSSICO 2015
    • Uvas: Trincadeira, Aragonez e Alfrocheiro
    • Aroma: Privilegia claramente a componente de aromas primários onde ressaltam notado as de ameixa confitada, amoras silvestres, pimentão vermelho maduro e especiaria, tudo num conjunto equilibrado e atrativo. Teor alcóolico: 14,5%

 

  • PAULO LAUREANO VINHAS VELHAS 2012 – 2013 – 2014
    • Uvas: Trincadeira, Aragonez e Alfrocheiro
    • Aroma: Compotas de frutos negros onde se distinguem ameixas e amoras silvestres em compota, mesclados com notas de chocolate negro, tosta e fumados das barricas.

IMG_7114

Algumas impressões citadas durante a nossa degustação:

 

– Esta safra 2012 mostra algo de folha molhada, umidade…

– Veja como mudou o 2012? Agora mostra algo de mentol…

– Muito sério o 2013…está demorando para abrir…

– Está cheio de taninos este 2013, pega um pouco em boca…

– Muita fruta neste 2014…algo doce aparece no paladar

 

Frase: “Na água, pode-se ver seu próprio rosto. No vinho, pode-se contemplar o coração do outro” – Provérbio francês.

 

Blog: https://emvinhos.wordpress.com

Instagram: @emvinhos

 

By: Edson Mauricio

 

Deixe um comentário

Arquivado em emvinhos.wordpress

BODEGA SALENTEIN – VALLE DE UCO

SALENTEIN

Ter a oportunidade de conhecer a região de Mendoza na Argentina é um prazer enorme, mas quando você vai além e explora as várias zonas produtoras de vinhos e se depara com a região do Valle de Uco, que numa primeira tomada parece ser tudo igual, mas se prestar bem a atenção verá como esta zona é especial.

Mais especial ainda é no meio deste oásis você encontrar não só mais uma bela Vinícola como tantas outras nesta região, mas encontrar um produtor de vinhos que tem o respeito pelo que faz e busca fundir o vinho, arte, gastronomia e uma boa vida.

A chegada ao Valle de Uco é sensacional, a Cordilheira dos Andes aparece e mostra toda a sua grandeza, os vinhedos estão expostos a uma altitude de aproximadamente 1.050 a 1.700 metros de altura, tendo como referência máxima os vinhedos da Finca São Paulo.

Os vinhedos da Salentein se beneficiam basicamente de duas vantagens, a água proveniente do degelo e sua amplitude térmica, que chega aproximadamente a 20º C. A estrutura montada para realizar todo o processo do vinho é espetacular, pois a vinícola foi criada para facilitar todo o processo de produção. Ela está centralizada no meio do vinhedo e em formato de cruz, afim de facilitar todo o manejo das uvas que chegam após serem colhidas, e cada ala mantem uma pequena bodega com dois níveis. No primeiro estão os tanques de aço inoxidável e as cubas de carvalho, onde são realizados todo o processo de fermentação. Um nível mais abaixo estão as barricas de carvalho que são utilizadas para o aprimoramento dos vinhos. Tudo isso é feito de forma gravitacional, ou seja, todo o processo de transferência por gravidade.

MENDOZA 216

Há ainda uma câmara central circular, parecido com um anfiteatro, construída lembrando os povos da antiguidade como inspiração.

Vinícola moderna, mas também inspiradora, combina a arte de fazer bons vinhos com arquitetura, arte, uma boa comida e uma capela, gostou? Mas ainda tem mais, pois também são disponibilizados para poucos visitantes a pousada com uma estrutura magnífica, de tirar o fôlego de qualquer enófilo.

Seleção de vinhos com a marca Salentein:

  • Killka (Vinho da linha jovem)
  • Portillo (Vinho da linha jovem)
  • Salentein Espumantes
  • Salentein Primus (Edição Limitada)
  • Salentein Single Vineyard
  • Salentein Reserva
  • Salentein Numina

MENDOZA 213

Dica: Me encantei com um vinho de entrada, da “linha Jovem“ Portillo Sauvignon Blanc, se tiverem oportunidade prove-o com um queijo de cabra.

FRASE: “ O consumidor é mais inteligente e mais culto do que pensamos. Ele pode começar com vinhos simples, mas não para por aí, quer saber cada vez mais e encontrar coisas que contam uma história”. Alberto Antonini – Enólogo e produtor.

Se for a Mendoza não deixe de conhecer a Bodega Salentein em Valle de Uco!

 

www.bodegasalentein.com

 

 

By Edson Mauricio

Saúde!

Deixe um comentário

Arquivado em emvinhos.wordpress

VINICOLA FIN & AS MISSÕES BRASILEIRAS

MISSÕES BRASILEIRAS

Mais que um presente, uma velha lembrança para quem é apaixonado pelo mundo que cerca o vinho, chega as minhas mãos uma garrafa e um embutido marcados de muita história.

Mas antes de tudo tenho que fazer um agradecimento ao casal Josmar Martins e Simone Croda pela velha lembrança, amigos, parceiros e família. Eu diria amantes de Bacco’s por que não.

Uma viagem à região sul do Brasil levou nossos amigos até um lugar muito especial, a região das Missões Jesuíticas no Rio Grande do Sul, onde puderam conhecer um pouco desta história.

Em meados de 1549 chegaram os primeiros jesuítas no Brasil, com a ideia de iniciar um processo de catequização indígena em massa e recebiam ordens do então padre Manuel da Nóbrega.

A ideia dos portugueses era unificar o território brasileiro com base no catolicismo, mas para que os indígenas compreendessem os ensinamos era preciso fazê-los a aprender a ler e escrever e para isso foram criadas algumas escolas de instrução e colégios. Aprendiam basicamente cursos de Teologia, Ciências Sagradas, Letras e Teologia.

DSC03500

Os portugueses tinham em mente homogeneizar os costumes e as crenças europeias, assim tornando o Brasil como uma verdadeira colônia.

Quando os jesuítas perceberam a intenção dos portugueses de escravizar os índios, começaram um processo migratório para cidades interioranas. Passaram a ensinar a doutrina católica, orientação agrícola, fazendo com que as tribos indígenas vivessem afastadas e independentes dos colonizadores portugueses. É claro que este processo não foi tão simples, pois a medida que uma tribo era exposta aos colonizadores estes o faziam a tribo inteira de escravos.

Apesar dos colonizadores portugueses não aprovarem os trabalhos dos jesuítas as Missões brasileiras duraram aproximadamente dois séculos, mas em 1759 o então primeiro ministro de Portugal Sebastião José de Carvalho, mais conhecido como Marques de Pombal, ordenou a retirada de todos os jesuítas das colônias portuguesas. Segundo registros até aquele ano os jesuítas já haviam construído 25 residências, 17 colégios e seminários por todo território brasileiro.

E é claro que a colonização também trouxe também o cultivo da uva para o nosso território e aproveito para falar aqui da Vinícola Fin, encravada em terras cheias de histórias, um povo sabedor da dificuldade de se trabalhar com a terra e o cuidado com a natureza.

A chegada na região das Missões permitiu ao casal se encontrar com o proprietário da Vinícola Jorge Fin (3ª geração), que logo os encantou pelo seu jeito alegre e comunicativo, coisas de quem tem a paixão pelo que faz.

DSCIMG_20160424_110305881

De origem italiana (Vêneto) os Fin tentam manter viva as raízes e a tradição familiar na elaboração de vinhos e cultivo das videiras. Para saber um pouco mais sobre o projeto acesse: http://www.vinicolafin.com.br/principal.php

Um embutido feito com muita classe e um vinho feito com uma uva pouco explorada no Brasil, a Tannat, a não ser na região da campanha gaúcha, fronteira com nossos vizinhos uruguaios. Uma combinação perfeita e clássica no interior do Rio Grande do Sul.

Ouvir toda esta história, mais que uma vez para mim foi gratificante.

 

FRASE: “O PRODUTOR NUNCA DEVE PENSAR QUE O VINHO JÁ ESTÁ BOM, O OBJETIVO É SEMPRE MELHORAR A QUALIDADE E PARA ISSO É NECESSÁRIA A CRÍTICA, MAS APESAR DE TUDO CRITICAR PRIMEIRO A SI PRÓPRIO E SÓ DEPOIS OS OUTROS” – TIAGO MIGUEL CUCO GARCIA, ENÓLOGO RESIDENTE DA HERDADE DAS SERVAS (1978).

JOSMAR E SIMONE

Siga-nos pelo Instagram: @emvinhos

 

Fonte de pesquisa: www.historiabrasileira.com

Fotos cedidas pelo casal: Josmar Martins e Simone Croda

http://www.vinicolafin.com.br/principal.php

 

Saúde!

 

Deixe um comentário

Arquivado em emvinhos.wordpress

FIN DEL MUNDO – PATAGÔNIA ARGENTINA

BARDA PINOT NOIR

A Patagônia ficou conhecida como o fim do mundo, pois está localizada no extremo sul da América Latina na Argentina e para se ter uma ideia da distância ela está localizada a 450 km da cidade de San Carlos de Bariloche, mais precisamente no paralelo 39.

Inverno rigoroso e verão muito quente e seco faz o clima ser perfeito para a maturação das uvas. Aqui se encontra o clima perfeito com uma amplitude térmica de aproximadamente 20º C entre o dia e a noite.

Um lugar onde se faz sol 300 dias no ano, onde as chuvas são escassas a produção de vinhos só são possíveis graças a irrigação das águas preciosas dos rios Neuquén e Limay, que formam o Rio Negro e formam um verdadeiro oásis.

Podemos dividir a Patagônia Argentina e dois, de um lado Neuquén e de outro Rio Negro.

EMVINHOS - BODEGAS DEL FIN DEL MUNDO - PINOT NOIR

  • NEUQUÉN

Neuquén que significa “rio ventoso” na língua da tribo Mapuche, teve suas videiras plantadas recentemente, a cidade era muito dependente da atividade petrolífera, com pouca diversidade de receitas. Com a abertura de novos empreendimentos, no caso a Bodega Del Fin Del Mundo que foi a pioneira na transformação das terras em vinhedos, chegou também NQN, Família Schroeder entre outras, mostraram muito sucesso. Seus vinhos têm sido apreciados não só pelo povo argentino, mas mundo a fora.

A Pinot Noir e a Merlot são as que merecem atenção para as uvas tintas e a Semillon pelo que pude provar até o momento, foi a que mais me agradou.

  • RIO NEGRO

Rio Negro tem uma história mais longa em comparação com Neuquén, o pioneiro a chegar nestas bandas foi Humberto Canale no final do século XIX. Trabalharam ativamente na colonização do lugar. A região chegou a ter 400 vinícolas, onde a maior produção era para vinhos de garrafão. Este cenário vem mudando um pouco com instalações de bodegas boutiques, como Noemia, Chacra, Del Rio Elorza, se misturando as já tradicionais.

Aqui também podemos encontrar bons exemplares de Pinot Noir, Merlot e até mesmo um excelente Malbec, porém diferente daqueles encontrados em Mendonza, outro polo vitivinícola na Argentina e também bons vinhos produzidos com a uva Sauvignon Blanc e a Riesling.

EDSON MAURICIO PULENTA STATE

Outros bons vinhos encontrados nestas regiões são os feitos com a uva Tannat e a Cabernet Franc, bem como alguns espumantes.

 

Frase: “ASSIM COMO O MÚSICO TOCA A COMPOSIÇÃO DE OUTRO, EU FAÇO O VINHO COM O QUE A NATUREZ PROPORCIONA”. – PHILIPPE PACALET, PRODUTOR DE VINHOS.

 

By Edson Mauricio

Saúde!

Deixe um comentário

Arquivado em emvinhos.wordpress